Razões que levaram à classificação da cidade de Angra, como Património Mundial

                Angra desempenhou um papel importantíssimo como ponto de escala necessário às Armadas das Índias Orientais e Ocidentais, aquando do seu regresso à Europa. Por essa razão e citando o ICOMOS (Conselho Internacional de Monumentos e Sítios), a classificação deveu-se ao seguinte:
                “Na história dos Descobrimentos marítimos dos séculos XV e XVI que permitiram a comunicação entre as grandes civilizações de África, Ásia, América e Europa, Angra do Heroísmo ocupa um lugar relevante: o porto da ilha Terceira, nos Açores, serviu de ligação, durante quase três séculos, entre a Europa e os “Novos Mundos”. Vasco da Gama em 1499 e Pedro de Alvarado em 1536 instauram a obrigatoriedade de fazer escala neste porto para as frotas da África Equatorial, das Índias Orientais e Ocidentais na rota das suas viagens de regresso à Europa. Estabeleceu-se aí imediatamente uma Provedoria das Armadas e Naus da Índia.
Baía de Angra ©http://geocrusoe.blogspot.pt
                O local, admiravelmente escolhido pelos primeiros navegadores, era protegido dos ventos dominantes por uma série de montes e colinas; o porto tinha duas bacias naturais, a do Fanal e a de Ancoragem (Angra) que deu nome à cidade. Fez-se um sistema defensivo inexpugnável desde a fundação com as grandes fortalezas de S. Sebastião e de São Filipe (hoje chamada de S. João Baptista). Simultaneamente, a implantação da cidade decidia-se com base num traçado original: o plano de xadrez característico das cidades novas que se introduziu aqui por causa dos ventos dominantes. Angra do Heroísmo oferece, assim, um exemplo talvez único de adaptação de um modelo urbanístico com condições climatéricas especiais. Conjectura-se, e com razão, que esta escolha foi imposta pelos navegadores e pelos seus cartógrafos.

Fortaleza de S. João Baptista ©http://www.theapricity.com

             Angra passou a ser oficialmente cidade no dia 21 de Agosto de 1534; durante esse mesmo ano, tornou-se a sede do Arcebispo dos Açores. Esta função religiosa contribui para o desenvolvimento da cidade onde se construíram a Catedral do Santíssimo Salvador, a Igreja da Misericórdia, os conventos dos Franciscanos e dos Jesuítas. Angra conservou, mesmo depois do terramoto de 1 de Janeiro de 1980, a melhor parte do seu património monumental e um conjunto urbano homogéneo, caracterizado por uma arquitectura vernacular singular.
                No quadro de uma proposta temática sobre os “Descobrimentos Marítimos dos séculos XV e XVI”, o ICOMOS recomenda a inscrição de Angra do Heroísmo na lista do Património Mundial, em função dos critérios IV e VI.
                 - “Critério IV: o Porto de Angra, escala obrigatória das frotas de África e das Índias em pleno Oceano Atlântico, é o exemplo eminente de uma criação ligada à função marítima, no quadro dos Grandes Descobrimentos.

                 - Critério VI: Tal como a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos em Lisboa, como Goa, Angra do Heroísmo está directa e materialmente associada a um acontecimento que tem significado histórico universal: Os Descobrimentos Marítimos que permitiram as trocas entre as grandes civilizações do planeta.”

Sem comentários:

Publicar um comentário