Museu do Pico Apresenta a Peça do Mês: Maxilar de Falsa Orca







Está patente ao público, na Galeria de Exposições Temporárias do Museu dos Baleeiros, nas Lajes do Pico, a Peça do Mês de Fevereiro - Maxilar de falsa orca.
Trata-se de um maxilar completo, em osso, de uma falsa orca (killer whale / baleia assassina), com dentição completa (20 dentes), em marfim. Com cerca de 5,480kg, 53 cm de comprimento e 38 cm de largura máxima, é um exemplar singular e raro.
É uma peça associada ao imaginário da baleação e à biologia do cachalote, considerando que a orca é um dos mais temíveis inimigos do cachalote.
Falsa-Orca (Nome científico: Pseudorca crassidens – Família: Delphinidae; Nome comum nos Açores: Negro):
Os machos adultos medem entre 5 e 6 m de comprimento e pesam até 2,2 toneladas. As fêmeas medem entre 4 e 5 m e pesam até 1,2 toneladas. Os recém-nascidos medem cerca de 1,5 m e 2,1 m e pesam em média 80 kg. De cor negra (daí o nome dado nos Açores), à exceção de uma mancha cinza na face ventral e corpo alongado, com melão pouco desenvolvido e sem bico. Alimentam-se de peixes de grandes dimensões, como atuns e os espadins, mas também de cefalópodes. Este animal goza de má reputação e é descrito pelos pescadores como sendo muito agressivo. São animais muito gregários e a comunicação te, sem dúvida, um papel muito importante na coesão do grupo. Os sons emitidos por esta espécie são extremamente diversificados e é possível que cada animal produza uma vocalização diferente.
Nos Açores, este grande delfinídeo encontra-se frequentemente em companhia de outras espécies. Estas não se preocupam com a má reputação das falsas-orcas, parecendo mesmo estar à vontade na sua companhia e, por vezes, fazem disputas entre eles. Um pouco tímida e muito ativa, a falsa-orca vem com frequência acompanhar à proa, nadando rapidamente, a cerca de 15 nós. Realiza saltos completos fora de água, provocando um splash grande, o que leva a suspeitar que se trate de um animal de maiores dimensões. É uma espécie que aparece quase sempre em grandes grupos, os quais ultrapassam várias dezenas e, por vezes, as centenas de indivíduos. É observado com maior frequência afastado de 3 a 4 milhas da costa. O sopro é bastante percetível, ventilando de cada 15 a 20 segundos. Emerge frequentemente com a boca aberta, sendo possível observar a sua impressionante dentição.
(Informação científica retirada de www.espacotalssa.com Cetáceos dos Açores, Espaço Talassa, 1 de fevereiro de 2016)
Possuindo um excecional poder de atração junto do público visitante, a aquisição desta peça a António Homem Goulart Júnior, permitiu fortalecer e consolidar o acervo museológico do Museu dos Baleeiros.
Fonte: www.culturacores.azores.gov.pt
Ana Cabrita


Sem comentários:

Publicar um comentário