Lenda da Lagoa do ginjal

No século quinze, vivia na freguesia dos Altares, na Ilha Terceira, uma menina muito rica cujo seu nome era Pérola Rego, herdeira de uma grande fortuna. Ela era descendente das famílias Rego e Baldaya pelo lado paterno, e da família Pamplona pelo lado materno. Pérola Rego era conhecida como uma menina bela, com cabelos brilhantes como um raio de sol, louros e fartos, de olhos castanhos da cor do cetim. A sua pele era rosada e fina como a seda.
Sendo ela conhecida como uma pessoa inocente, bondosa de espírito e coração, tão bela por fora como por dentro, fez com que um elevado número de rapazes se enamorassem por ela.
 Numa bela manhã ensolarada, Pérola levada por uma fascinação estranha, desceu o eirado do solar de seu pai e foi espelhar-se na água da cisterna da casa.
Existia pelas redondezas uma fada que queria defender Pérola dos pretendentes, pois estes não a amavam e apenas estavam interessados no seu dinheiro. A fada escondeu-se dentro da cisterna à espera da rapariga. Fez um encanto e tomou poder sobre a imagem da menina que se reflectia nas águas paradas da cisterna. Depois começou a planear uma maneira de a surpreender durante o sono e levá-la para um lugar seguro no seu castelo encantado, longe dos homens.
O palácio situava-se no interior da ilha, perto do Pico do Vime e continha lindos jardins e bosques magníficos com árvores indígenas, tais como o azevinho, o sanguinho, o cedro e o pau branco. Era rodeado pelos dourados campos de trigo onde se destacava o enfeito das vermelhas papoilas. No meio dos campos encontrava-se o enorme castelo.
À meia-noite da véspera do dia de S. João, quando as estrelas brilhavam na sua plenitude e a lua já no alto reinava, Pérola foi levada enquanto dormia pela fada nas suas asas brancas. Na manhã seguinte a notícia do seu desaparecimento foi rápida a se espalhar, deixando os seus pais em pânico e os seus enamorados em ansiedade. Em conjunto, os pretendentes foram em busca de uma velha feiticeira que vivia no cimo de uma serra em que lhes revelou a existência do palácio encantado.
Alguns dos pretendentes quiseram atacar o castelo, deitando abaixo as muralhas com a força das suas armas. Outros mais cuidadosos consultaram também uma velha benzedeira que morava na freguesia dos Biscoitos, que lhes informou que tinham de levar alaúdes e, à maneira dos antigos trovadores, irem cantando versos mágicos e executando marchas de magia que ela lhes ensinaria. Assim veriam ao longe o castelo encantado. Visto que uma coisa encantada só se desencanta com outro encanto.
A benzedeira também alertou-os para o facto de que encontrariam uma inscrição sobre um rochedo e que, se fosse gravado a prata, indicaria o modo de atrair Pérola, mas, se fosse gravado a fogo, o seu feitiço não tinha força para vencer e nenhum deles merecia o amor da jovem. 
 Os pretendentes partiram de madrugada, mal o sol raiou. Pelos caminhos iam cantando os versos ensinados pela velha benzedeira dos Biscoitos. Ao fim de muitas horas de caminhada foi ouvido um grito de alegria. Ao longe via-se recortado na paisagem o palácio da fada, brilhando à luz do sol nascente.
Assim sendo eles se apressarão e percorreram o longo caminho até ao castelo. Foi um caminho longo onde tiveram de descer encostas, percorrer vales, subir serras e colinas. Ao chegarem ao local onde momentos antes tinham visto nitidamente o palácio, agora só aparecia uma bela, serena e plácida lagoa de águas claras. Numa das margens Encontraram logo a inscrição gravada a fogo que dizia o seguinte: “Aqui, neste espaçoso lago, escondeu-se o palácio da linda Pérola, donzela de cabelos loiros”. Os homens desiludidos, pensaram que Pérola estava perdida para sempre e voltaram desiludidos, desistindo da ideia de conquistar Pérola, mas a mãe da jovem, sendo uma cristã piedosa, na própria manhã do rapto tinha ido se ajoelhar diante da imagem de S. Roque e pedira a sua intervenção. No fim da prece ouviu uma voz que lhe segredou: 
— Vai tranquila, a tua filha está entregue ao Anjo da Guarda. Os pretendentes foram vencidos e, no dia de S. Pedro, à hora do pôr-do-sol, Pérola surgirá no terraço do solar, acompanhada por um Arcanjo, num batel de marfim puxado por um cisne.
 Assim sucedeu. Pérola voltou a casa e alguns anos mais tarde um bravo e digno cavaleiro que vestia a armadura refulgente do Santo Gral apaixonou-se e desposou a bela jovem.
 O lago que escondeu o palácio encantado lá ficou, embelezando a paisagem campestre, e passou a chamar-se Lagoa do Ginjal. Por ali existiu uma ribanceira coberta por um belo ginjal.


© avesdosazores.wordpress.com

Publicado por: Vânia Góis 

Sem comentários:

Publicar um comentário