Museu da Baleia da Ilha das Flores








O fim da caça à baleia nas Flores coincidiu com a sua proibição na Europa, mas em 1981 havia já poucos baleeiros na ilha e a atividade iria desaparecer naturalmente, segundo disse Luís Filipe Vieira.
A baleia era usada para farinhas e óleos que os consumidores de então tinham já vindo a substituir por produtos com outra origem, que eram mais baratos.
Sintoma daquilo que estava a acontecer no mercado de então foi que a venda do último óleo de baleia produzido nas Flores levou três ou quatro anos a verificar-se, por já não ser um produto procurado.
Francisco Almeida, 84 anos, foi um dos homens que, a 14 de novembro de 1981, caçou e levou para a fábrica do Boqueirão a última baleia que ali foi transformada.
Andou nos botes, a caçar baleias, dos 16 aos 55 anos e quando naquele dia levou aquela baleia para a fábrica (a 25.ª daquele ano) não sabia que seria a última, segundo contou à Lusa.
“Já se sabia que queriam proibir”, mas os baleeiros acreditavam que a interdição deixaria de fora os Açores, onde “se apanhavam” poucos animais, afirmou, revelando que houve uma altura em que sentiu saudades “daquele tempo”, sobretudo depois de ter andado “na estiva” e na “carga e descarga de barcos”.
Celestino Medeiros, 90 anos, que é neste momento o mais velho dos baleeiros das Flores, não se lembra quantos foram exatamente os “muitos anos” que dedicou à caça da baleia.
Também emocionado por lembrar aqueles tempos, explicou sem hesitação à Lusa o que levava, em parte, um homem a entrar num bote e caçar um animal com a dimensão de uma baleia, apesar do “muito medo”: “Aquilo era um vício”.
A fábrica do Boqueirão funcionou de 1944 a 1981, desempenhando um papel importante na economia da ilha das Flores, como recordou hoje Vasco Cordeiro.
A recuperação do edifício e a sua transformação em museu (um investimento de 1,5 milhões de euros) visa preservar “a memória” e a “história” que tem associada, mas também fazer desta infraestrutura um alicerce “de construção de um novo futuro”, disse o presidente do executivo açoriano, que considerou que este é um espaço que tem ainda “muito a dar” em prol do desenvolvimento das Flores.

Vasco Cordeiro saudou também os baleeiros e antigos operários da fábrica, dizendo que o novo museu quer também “honrar e homenagear” todos os que estiveram ligados à caça da baleia e “aquilo que deram à sua terra”.

Fonte: Fórum da Ilha das Flores
Silvia Vieira

Sem comentários:

Publicar um comentário