Flora açoriana: Araucária

Esta árvore que tem como nome científico Araucaria heterophylla, pertence à família Araucareacea, tem a sua floração em Março e Abril, é originada da Austrália e pode encontrar-se em todas as ilhas dos Açores.
Possui um tronco vertical e ramos simétricos dispostos em andares e pode atingir os 60 metros de altura.
As folhas nas árvores jovens são em forma de agulha. Nas árvores mais velhas são em forma de escama (o nome científico heterophylla deve-se a esta variação entre as folhas jovens e adultas). Nos Açores, esta espécie foi introduzida em jardins devido ao seu êxito, crescimento rápido e destaque na paisagem.
Mais tarde passou a ser utilizada em jardins públicos para assinalar pontos ou datas memoráveis.


 
 
 
 
 
Fonte: Livro “Guia do Parque Natural de São Jorge, Açores” / http://portodaspipas.blogs.sapo.pt/2008/10/
 
Patrícia Machado


Museu do Pico promove lançamento do livro infantil "Ritinha – uma história do mar"








A Direção Regional da Cultura, através do Museu do Pico, acolhe, a 22 de agosto, pelas 21h00, no Museu dos Baleeiros, nas Lajes do Pico, o lançamento do livro infantil "Ritinha – uma história do mar", com textos de Nuno Mata e ilustrações de Salgado Almeida.

Neste livro, vocacionado para os mais pequenos, mas que pode ser lido por todas as idades, os autores contam a história de António, um menino que queria ser baleeiro, mas que, ao encontrar a baleia Ritinha, decide lutar pela preservação desta espécie.

Nuno Mata, natural de Sintra, é professor de Geografia e dedica-se à investigação da história local, sendo autor de dezenas de monografias e outros estilos literários, destacando-se "Lajes do Pico – cartas de (uma) viagem".

Por seu lado, Salgado Almeida, licenciado em Artes Plásticas pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto, lecionou nesta área em várias escolas públicas e privadas, tendo as suas obras sido já apresentadas em diversas exposições, individuais e coletivas.

A Direção Regional da Cultura informa que este e outros eventos estão disponíveis para consulta na Agenda Cultural do Portal CulturAçores, no endereço eletrónico www.culturacores.azores.gov.pt.
GaCS/DRC


Fonte:http://www.azores.gov.pt/Portal/pt/

Mercado Trocas e Baldrocas


13 de Agosto a partir das 16h00
Seguido do Espétaculo infantil: "Ruca - O Original" na Praceta dos Baleeiros
Município de São Roque do Pico

Açores tem Nova Colónia de Ave Marinha Rara na Europa






A Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) anunciou hoje a existência de uma nova colónia nos Açores da ave marinha alma-negra, espécie rara na Europa.


"Durante o trabalho de campo realizado em junho pelos técnicos da SPEA no ilhéu de Baixo, junto à costa da ilha Graciosa, foi confirmada a nidificação de alma-negra ('Bulweria bulwerii') naquela que é a colónia mais setentrional desta espécie", refere uma nota de imprensa da associação ambientalista.

Segundo a SPEA, "foram identificados 13 ninhos de alma-negra" naquele ilhéu, "mas apenas quatro eram acessíveis, dado que esta pequena ave escava o ninho bem fundo em fendas e buracos".

"As suspeitas passaram a certezas nesses quatro ninhos, uma vez que estavam ocupados com aves incubando o seu único ovo. A estimativa populacional desta colónia aponta para a existência de cerca de 20 casais reprodutores", adianta a mesma nota.

A equipa aguarda agora a eclosão dos ovos, em finais de julho, sendo que no fim de setembro e início de outubro "as crias irão começar um périplo pelo oceano até ao hemisfério sul, regressando à colónia por volta dos três anos", informa a SPEA, explicando que, "embora visitem anualmente as colónias desde essa idade, apenas se começarão a reproduzir quando atingirem os sete anos".

Até agora era conhecida nos Açores apenas uma colónia de alma-negra, assim designada por ser uma ave com bico e plumagem negras. A colónia conhecida situa-se no ilhéu da Vila, em Santa Maria, grupo oriental do arquipélago, onde nidificam 50 casais.

À Lusa, o coordenador da SPEA/Açores, Ricardo Ceia, salientou a importância da descoberta para a conservação da espécie, referindo que se acontecer alguma coisa à população de Santa Maria, a colónia na Graciosa, ilha do grupo central, "será a última esperança para a espécie nos Açores".

Ricardo Ceia referiu ainda que a descoberta "dá um novo fôlego à conservação desta espécie rara na Europa", que está protegida pelas diretivas Aves e Habitats, e que está classificada como "Em Perigo" no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal.

Esta descoberta, que o coordenador classificou como "novidade positiva", foi feita no âmbito dos trabalhos de monitorização da mais pequena ave marinha dos Açores e endémica do arquipélago, o paínho-de-monteiro, monitorização feita em parceria com a Direção Regional dos Assuntos do Mar e o Fundo Regional para a Ciência e a Tecnologia.


Fonte: http://www.iloveazores.net/
Foto:Nuno de Macedo

Governo dos Açores promove produtos de 56 artesãos na Semana do Mar, nas Festas da Praia e na Semana dos Baleeiros

A Vice-Presidência do Governo, com o objetivo de divulgar e potenciar a comercialização do Artesanato dos Açores, sobretudo dos produtos artesanais certificados, promove a realização de três mostras (M. ART) e a participação de 56 empresas artesanais durante a Semana do Mar, no Faial, as Festas da Praia, na Terceira, e a Semana dos Baleeiros, no Pico.
A M. ART – Semana do Mar, integrada na Expomar, que decorre até ao próximo dia 13 de agosto, conta com a participação de 15 unidades produtivas artesanais das ilhas do Faial, Pico, S. Miguel e Santa Maria.
Nesta mostra, os visitantes podem, entre as 19h00 e as 00h00, ver e adquirir trabalhos em couro, materiais sintéticos, bordados, rendas, cartonagem, artigos têxteis para o lar, bijuteria, registos, escultura em pedra e em madeira, osso e escamas de peixe, entre outros materiais.
Por seu lado, a M.ART – Praia da Vitória, que também decorre até 13 de agosto, pretende aproveitar uma época de maior fluxo turístico à ilha Terceira para dar visibilidade aos trabalhos de 23 unidades produtivas artesanais, das quais 21 da Terceira e duas de S. Miguel.
A mostra que está instalada na tenda na Marina da Praia da Vitória, num espaço contiguo à Feira de Gastronomia do Atlântico, pode ser visitada das 19h00 às 00h00.
No certame vão estar em exposição trabalhos em latoaria, bijuteria, materiais sintéticos, bordados, rendas, artigos têxteis para o lar, tecelagem, acessórios de vestuário, artigos em pele, miniaturas de madeira, patchwork, embutidos, bonecos de pano, escamas de peixe e cerâmica.
A M. ART – Semana dos Baleeiros, que decorre de 21 a 27 de agosto nas Lajes do Pico, vai contar com a participação de 18 artesãos do Pico e de S. Miguel, podendo ser visitada entre as 19h00 e as 00h00 até ao dia 25, das 16h00 às 00h00 no dia 26 e das 20h00 às 00h00 no dia 27 de agosto.
Além destas e de outras mostras regionais inseridas em eventos em diversas ilhas, a Vice-Presidência realiza ao longo do ano múltiplas ações promocionais e formativas através do Centro Regional de Apoio ao Artesanato (CRAA), que conta com cerca de 600 artesãos inscritos, quando em 2012 estavam inscritas 359 unidades artesanais.
Este aumento do número de empresas revela o dinamismo crescente da atividade, aproveitando novas oportunidades de negócio potenciadas pelo aumento do fluxo turístico.
Nesse sentido, a certificação e a indicação de origem é crucial para a estratégia regional de preservação e apoio ao artesanato tradicional, assumindo-se como garantia da qualidade e autenticidade da produção.
Atualmente, a marca Artesanato dos Açores abrange 21 áreas artesanais certificadas e cerca de uma centena de unidades produtivas artesanais com o selo de certificação.
 
 
 
 
 
Fonte:http://www.jornalacores9.net/governo-dos-acores-promove-produtos-de-56-artesaos-na-semana-do-mar-nas-festas-da-praia-e-na-semana-dos-baleeiros/?cat=12
 
Patrícia Machado

Lenda da Borboleta da Ilha do Pico









Era uma vez uma borboleta  enorme, com asas muito coloridas em forma de coração.
Tinha um feitio atrevido, curioso e era muito veloz.
Certo dia, ouviu dizer que dentro da montanha da ilha do Pico, havia um Reino de Fantasia.
Decidiu investigar e encontrou uma de 3 passagens para lá entrar - foi a passagem aérea, acessível a partir do cume do Piquinho.
Ainda havia uma passagem terrestre a partir das Grutas das Torres e uma outra - aquática - situada no Porto da Madalena.
Quando entrou dentro da Montanha, de imediato transformou-se numa princesa e deixando de poder voar, caiu em cima de algas fofinhas.
Como era muito habilidosa (e vaidosa também) tricotou um vestido verde com as algas.
Encontrou um Rei e um Principe que se apaixonou por ela de imediato.
Mas, como era muito timido, não teve coragem de se declarar pessoalmente e entregou-lhe um bilhete onde perguntava se ela queria casar com ele.
A Princesa Borboleta disse que sim.
Casaram, fizeram uma festa e tiveram 5 filhos - um cagarro, um cachalote, um milhafre, uma vaca e um golfinho - que por sua vez cresceram, fizeram as suas famílias e continuam a viver nas ilhas dos Açores.

Fonte:http://www.cacores.ca/index.php?option