Quiosques de Turismo ART

Os quiosques de Turismo ART são uma rede integrada que actua nas ilhas do grupo Central e que, mais recentemente, alargou o seu âmbito de acção para as ilhas do Grupo Ocidental.
 
Os quiosques disponibilizam diversos serviços, entre os quais:
·    Informação turística: alojamento, agências de viagens, horários de monumentos/locais a visitar, transportes, restaurantes, contactos úteis, entre muitas outras informações poderão ser adquiridas por quem visitar um quiosque de turismo ART. Para que tal seja possível, todos os quiosques possuem uma base de dados que é actualizada regularmente, de forma a permitir o fornecimento de uma informação exacta.
 
 
 
·    Informação sobre eventos e manifestações culturais: programas de festividades, calendarizações de touradas à corda, informações sobre espectáculos, exposições, etc. são exemplos de informações disponibilizadas nos quiosques.


 
·    Informação e comercialização de serviços de animação turística: são cedidas informações sobre actividades como observação de cetáceos, mergulho, percursos pedestres, pesca, actividades de praia, etc. Caso o cliente o pretenda, a actividade é reservada no quiosque directamente com a empresa.
 
 
·    Reserva de serviços: nos quiosques podem ser efectuadas reservas de transportes, restaurantes, alojamento, circuitos turísticos, bem como qualquer outra reserva que seja solicitada pelo cliente.
 
 
·    Aluguer de Bicicletas: alguns quiosques têm disponíveis bicicletas que poderão ser alugadas directamente após o preenchimento de um termo de responsabilidade e de uma ficha de verificação do estado da bicicleta; do pagamento de uma caução (que é devolvida no final do aluguer, caso a bicicleta apresente as condições iniciais). No acto do aluguer é entregue ao cliente um regulamento com as condições inerentes ao mesmo e, se este o pretender poderá usufruir de equipamentos extra, como um cadeado ou uma bomba de pneu.
 
 

·    Venda de artesanato, produtos gastronómicos, guias temáticos, recordações, etc.: os quiosques de turismo, para além de pontos de informação, são também pontos de venda e, como tal, têm ao dispor dos seus visitantes diversas opções para que estes possam presentear os seus familiares e amigos. Opções estas que passam pelo artesanato (barro, folha de milho, bordados, madeira, etc.), produtos gastronómicos (queijos, vinhos, doçaria, mel, etc.), guias temáticos, (guias interpretativos, roteiros culturais, etc.) e inúmeras recordações da ilha e Açores em geral (ímanes, canecas, t-shirts, porta-chaves, etc.).

 



Açores: Um Arquipélago De Sonhos


 


Os Açores, com cerca de 247.000 habitantes numa área total de, aproximadamente, 2.342 km2 e uma zona económica exclusiva com cerca de 1.000.000 km2, recebem mais de 300.000 turistas por ano.

O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas que se estendem de S. Maria, a ilha mais oriental, às Flores, a ilha mais ocidental, numa distância de cerca de seiscentos quilómetros. Está dividido em três grupos: o grupo oriental, constituído pelas ilhas de S. Maria e S. Miguel; o grupo central, do qual fazem parte as ilhas Terceira, Graciosa, S. Jorge, Pico e Faial e o grupo ocidental que integra as ilhas de Flores e Corvo. Território integrante da União Europeia, constituem o princípio da Europa a ocidente, com um clima temperado: temperaturas médias de 13 graus centígrados no Inverno e 25 no Verão e uma humidade relativa média de 75%; a temperatura da água do mar varia entre os 17 e os 20 graus centígrados.

Os Açores oferecem a quem visita o arquipélago, um vasto leque de actividades, desde os desportos marítimos, aos campos de golfe e passeios pedestres, até à diversidade da gastronomia regional, ao encanto das casas rurais e um sem número de festividades religiosas e populares.
A oferta hoteleira aumentou significativamente nos últimos anos, sendo o turismo uma aposta forte para o desenvolvimento da região.
Os Açores assumem-se como um destino de qualidade e beleza únicas, facto reforçado pelo prémio ganho de segundo lugar como destino turístico de excelência em ilhas.

«Os Açores são um paraíso para quem ama a natureza. Das formas fantásticas dos lagos e lagoas, às extasiantes vistas sobre o oceano; das profundezas das crateras de antigos vulcões, às paisagens que mantêm a pureza original; da harmonia bucólica à serenidade do silêncio. Com todo o seu esplendor verdejante, os Açores são sinónimos de uma experiência inesquecível.»

 
 

 
 
 
 

 

Ilhéu da Baleia - Ilha Graciosa



Fonte: Jorge Góis

Comemoração do 49º Aniversário da Associação Os Montanheiros e Abertura das Grutas



A Associação Os Montanheiros convida todos os associados e famílias e público em geral a participar no seu 49º Aniversário, com o seguinte programa:
Dia 30 de Novembro (sexta-feira):
20:00h - Abertura do Museu Vulcanoespeleológico Machado Fagundes
21:00h -Sessão Solene
- Exibição do filme "O último vulcão da linha" de Paulo Henrique Silva
- Palestra “Erupções vulcânicas na Crista Submarina da Serreta ao largo da ilha Terceira, Açores” proferida pelo Prof. João Luís Gaspar
Segue-se um beberete.
Dia 1 de Dezembro (sábado):
08:00h - Alvorada com a participação da “Fanfarra Operária” e “Filarmónica Recreio dos Artistas”, na Sede da Associação Os Montanheiros.
14:00h-15:00h - Abertura do Algar do Carvão ao público
14:30h - Inscrições para a prova/ Concentração
15:00h - Prova “Degraus do Algar do Carvão”
18:00h - Missa por alma dos sócios falecidos, na Igreja da Sé.
19:30h - Entrega de prémios aos vencedores das provas e concurso que decorreram durante a época 2012, na Sede da Associação Os Montanheiros.

Aberturas do Algar do Carvão e Gruta do Natal – 6 e 7 de Dezembro 
                     

Também no mês de Dezembro, informam-se a todos os interessados que ambas as cavidades vulcânicas, Algar do Carvão e Gruta do Natal, estarão abertas nos dias 6 e 7 Dezembro das 15h às 17h, sendo que o último grupo a descer às grutas será às 16:45h.
Nestes dias os preços estabelecidos serão os mesmos praticados durante o período normal de aberturas:
Bilhete normal - 5 euros/pax
Bilhete com desconto - 4 euros/pax*
Bilhete único (visita a ambas as grutas) - 8 euros/pax
Bilhete único com desconto (visita a ambas as grutas) - 7 euros/pax*
Bilhete gratuito - sócios perante a apresentação do cartão com quota regularizada
*descontos para possuidores de cartão jovem regularizado

Bold Entrepreneurship Talks, Azores 2012



Esta Conferência Internacional apresenta-se como o grande evento de empreendedorismo nos Açores, pretendendo reunir um conjunto de oradores com reconhecido mérito e know-how nas mais diversas áreas.
Tem como grande objetivo ensinar e debater o tema do empreendedorismo, trazer novos pontos de vista, espicaçar, provocar, inspirar e fazer refletir os participantes. Não pretende no entanto ser apenas mais um evento de empreendedorismo, pretende sim ser algo de muito relevante para a comunidade, pretende ser um espaço de partilha de ideias, pretende dar exemplos concretos em vez de palavras bonitas e pretende que todos os discursos sejam muito diretos, muito incisivos e sem "papas na língua".
Serão abordados não só temas relacionados com o empreendedorismo e os "negócios" mas também sobre vida e atitude! Por isso, esta conferência é destinada não só a empresários ou potencias empresários mas a todas as pessoas, dos 8 aos 80 anos, que tenham vontade de viver e de fazer mais!
É um evento sem fins lucrativos, onde parte das receitas serão utilizadas para apoiar uma instituição local que acolhe crianças!!
É um evento que o fará sentir-se positivo e ativo, é um evento que conseguirá fazê-lo pensar, é um evento que o fará sentir-se inspirado e é um evento que promove a comunidade açoriana e é um evento que contribui para a sociedade!


Conheça aqui:




Saiba mais em: 

Vulcão dos Capelinhos premiado



A Paisagem do Vulcão dos Capelinhos venceu o segundo lugar do Prémio Nacional da Paisagem 2012, atribuído pelo Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território.

Este local da ilha do Faial foi apenas superado pelo Projeto de Recuperação Ecológica da Bacia Hidrográfica da Lagoa das Furnas, da ilha de S. Miguel, que vai ser o representante nacional no Prémio da Paisagem do Conselho da Europa 2013.

O Prémio da Paisagem do  Conselho da Europa foi criado pela Convenção Europeia da Paisagem com o objetivo de distinguir a implementação de uma política ou de medidas de protecção, gestão e ordenamento da paisagem que sejam eficazes para a sustentabilidade e promovam o envolvimento e a sensibilização da sociedade civil.

Estes dois prémios são muito importantes para os Açores e demonstram bem como essas medidas tem sido tomadas pela região.

Fonte: Jornal Incentivo de 26/11/2012, nº 1988
Foto: Andreia Rosa

Açores aposta no Turismo Religioso


Tendo por base as Festas do Espírito Santo, as Festas de Senhor Santo Cristo dos Milagres e o Caminho das Romarias, o Observatório de Turismo dos Açores pretende apostar no desenvolvimento do turismo religioso naquele arquipélago.

Considerado um produto turístico com potencial para a região, o Observatório pretende desenvolver um projecto à volta dessas festividades, estando a estudar desenvolver uma rota turística para o Caminho das Romarias, que irá percorrer toda a ilha de São Miguel, com actividades relacionadas com as romarias, apostando na gastronomia regional, alojamento local e património histórico como as igrejas.

Academia da Juventude 2012, Workshops para os próximos dias

25 de Novembro: 14:30-17:00 - Workshop “Sabores Saudáveis” – Tânia Rocha
 
Local: Sede da Junta de Freguesia do Raminho (Angra do Heroísmo)
 
 
26 de Novembro: 10:00-15:00 - Reunião de Organizações Ativas na Área da Juventude
 
Local: Academia da Juventude e das Artes da Ilha Terceira (Praia da Vitória)
 
 
27 de Novembro: 18:00-20:00 - Workshop de “Higiene e Segurança no Trabalho” – Sónia Santos
 
Local: Sede da Junta de Freguesia do Raminho (Angra do Heroísmo)
 
 
27 de Novembro: 20:00-22:30 - Workshop de “Mobilidade Internacional e Oportunidades de Aprendizagem” – Ana Seirôco
 
Local: Sede da Junta de Freguesia da Ribeirinha (Angra do Heroísmo)
 
 
28 de Novembro: 19:00-23:00 - Workshop “Dinâmicas de Grupo e Educação Não Formal” – Ana Seirôco
 
Local: AJITER SPOT do Raminho – (Junta de Freguesia do Raminho - Angra do Heroísmo)
 
 
28 de Novembro: 20:00-22:30 Workshop de “Legislação para não juristas” – Tibério Dinis
 
Local: AJITER SPOT da Ribeirinha (Junta de Freguesia da Ribeirinha – Angra do Heroísmo)
 
 
 
O programa poderá estar sujeito a alterações. Apenas são aqui apresentados os programas para os quais existem vagas.
 
O programa actualizado está disponível no site e na página do facebook da AJITER, www.ajiter.pt e www.facebook.com/ajiter.pt, onde poderão, ser também obtidas mais informações e, para os interessados em participar, feitas as inscrições. Adicionalmente poderão ser obtidas mais informações através do e-mail geral@ajiter.pt ou dos telefones 295 212 409/10.
 

Mestre João Alberto

A construção naval nos Açores terá tido inicio nos primordios do povoamento. Esta atividade desenvolveu-se em todas as ilhas, embora se saiba muito pouco acerca deste assunto. Na ilha do Pico a construção naval tem raízes e tradições remotas que a falta de documentação não pode desmentir. O termo batel é um exemplo, vocabulário corrente na época quinhentista e que designa uma embarcação de duas proas, que ainda hoje tem um uso generalizado nesta ilha.
 
 João Alberto das Neves, nasceu em S.Jorge, na freguesia da Urzelina, a 23 de fevereiro de 1939. Terminou a escolaridade obrigatória da época e iniciou-se com os seus tios Marcelinos, na carpintaria, começou por construir selhas e baldes. Em 1960 ainda na Urzelina começou na reparação naval com o mestre João Alvernaz, natural da freguesia da Praínha, na Ilha do Pico, fizeram uma grande recuperação da traineira Urzelina.
 
Em 1971 fixou-se em Santo Amaro do Pico, freguesia vizinha da Praínha, passando a trabalhar nos estaleiros navais do Mestre José Teixeira Costa. A primeira contrução que trabalhou aqui foi a traineira Senhora do Rosário, que custou na altura 120.000 escudos. Manteve-se a trabalhar com o Mestre Costa até 1972, tendo construido com ele 17 traineiras. No mesmo ano inicia atividade por conta própria, com estaleiro em Santo Amaro.
 
"Mestre João Alberto é um homem dotado de uma execional capacidade de trabalho e de um forte génio inventivo, qualidade que soube fortalecer com os conhecimentos adquiridos junto dos antigos construtores navais com quem trabalhou..."
 
"A sua obra é absolutamente impressionante quer pela sua qualidade rara do seu trabalho, quer pela sua dimensão..."
 
"Autor de uma obra invulgar, Mestre João Alberto continua, como sempre foi, um homem simples e humilde. Considerado e respeitado nos Açores inteiros e fora deles. Recordado com saudade e admiração por todos os que com ele trabalharam e privaram. Um açoriano genial que, sendo da ilha, é do mundo." 
 
Manuel Francisco Costa Jr.

Traineiras que o Mestre João Alberto ajudou a construir para o mestre José Costa:

 
O Mestre Alberto construiu 50 embarcações, batéis e lanchas para pesca artesanal e desportiva e 10 atuneiros de grande porte  - parte da chamada Frota Azul. Recuperou e transformou 59 embarcações, grandes e pequenas de caça à baleia, de pesca e de tráfego local.
 
Bateis e lanchas feitas de raíz por Mestre João Alberto:
 

 
 Recuperou uma variedade de embarcações, tais como: Espalamaca (uma vez em 1990 e outra em 1997); iate Santo Amaro; atuneiro Maria Leotina; Lanchas baleeiras: Rosa Maria, Cigana, Medina, Garota, Açoriana, José Alexandre, entre outras embarcações.

 
Mestre João Alberto inovou e prolongou a construção naval na ilha do Pico e Açores. Honrou e promoveu a identidade do lugar contribuindo para a sua imortalização .
 
"Na esteira da grande construção e da herança dos grandes construtores navais dos Açores, assume-se como a sua última grande referência em Santo Amaro do Pico, a capital açoriana da construção naval."


Fonte da informação: Livro: "Mestre João Alberto - No Reino dos Barcos" - Direção Regional da Cultura

"Um conto de Natal" de Charles Dickens - Artes do Palco/ Teatro nas Lajes do Pico

O Grupo de Teatro Muitieramá exibe no Auditório Municipal das Lajes do Pico, sexta 30 de novembro, sábado 1 e domingo 2 de dezembro "Um conto de Natal" da autoria de Charles Dickens.



Horário das sessões:

Sexta, 30 de novembro - 21h00
Sábado, 1 de dezembro - 21h00
Domingo, 2 de dezembro - 16h00

Venha passar uma noite diferente...


Para mais informações contatar:
Auditório Municipal das Lajes do Pico - 292 672 405

Fonte: Agenda Cultural das Lajes do Pico de Novembro

Natal da Praia da Vitória volta a ter gosto a chocolate


A programação de Natal da Praia da Vitória já está estabelecida e este ano o O Festival Internacional do Chocolate da Praia da Vitória volta a ser a principal atracção. 
A iniciativa, que se repete pelo terceiro ano consecutivo, decorre de 07 a 09 de dezembro na Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira, sendo gerida pela Escola Profissional da Praia da Vitória.
Este ano, a novidade, segundo o diretor da escola é "um atelier para crianças". 
Domingos Borges salientou que nesta edição estarão a concurso 12 escolas de hotelaria e restauração de França, Itália, Letónia, Polónia, Suécia e Portugal, que disputarão prémios nas categorias de peça artística em chocolate, sobremesa com chocolate e bombons de corte e trufas.
Todos os dias haverá também demonstrações de sobremesas com chocolate e utilizações de chocolate na cozinha com três chefs. 
O Concurso de Montras decorre a 08 de dezembro e o Concurso de Presépios decorre entre 18 e 20 de dezembro. No primeiro caso, as inscrições dos comerciantes da Praia interessados estão abertas até às 16h30 do dia 04 de dezembro e no segundo caso, os interessados podem inscrever-se entre 03 e 10 de dezembro. Os regulamentos estão disponíveis no site da Câmara.
No dia 05 de janeiro, no Auditório do Ramo Grande, decorrerá um Concerto de Ano Novo, protagonizado pela Orquestra de Cordas da Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira, pelo Orfeão da Praia da Vitória, pelo Coro Pactis e pela Filarmónica União Praiense, numa atuação conjunta orientada por Antero Ávila.
Na noite do dia 06 de janeiro, as ruas da Praia voltarão a encher-se com o Vamos Cantar aos Reis, onde vários grupos de reis do Concelho e da Ilha assinalam esta o Dia de Reis.
No âmbito do Festival do Chocolate, decorre um espetáculo de música e teatro integrado no projeto Mute da Escola dos Biscoitos, que homenageia o Fado, no dia 8, no Auditório do Ramo Grande.
No dia 07, será apresentada a peça de teatro infantil "A Gata Borralheira", sendo exibido, no dia 9, o filme "Charlie e a Fábrica de Chocolate".

Fonte: Diário Insular
Sara Luís

Lagoas do Congro e dos Nenúfares



 
A Lagoa do Congro fica situada no centro da ilha de São Miguel, a poucos quilómetros do concelho de Vila Franca do Campo. Embora de menores dimensões que as restantes lagoas da maior ilha açoriana, merece uma atenta visita. De aspecto soturno, reflectindo um verde muito escuro - transmitido pelas rochas alcantiladas dos montes envolventes -, contrasta com a vizinha Lagoa dos Nenúfares, cuja superfície é, quase na totalidade, coberta por flores.

Esta lagoa ocupa uma cratera de explosão do tipo "maar", situada numa das mais activas falhas geológicas da ilha de São Miguel. A particularidade desta cratera de explosão formada há cerca de 3.900 anos reside no facto de ter origem em explosões freatomagmaticas em que houve contacto do magma em ascensão com níveis freáticos existentes nas formações subjacentes. Devido à sua génese a lagoa do congro apresenta características que a distinguem da maioria das lagoas da ilha de S.Miguel. A sua principal característica é a de estar encaixada na região circundante, relativamente plana, sob a forma de um grande buraco aberto na zona envolvente, ao contrário de ocupar o topo de um cone vulcânico bem definido.

A fauna ictiologica desta lagoa tem variado ao longo da história. Barrois, em 1986, registou a presença de peixes vermelhos (Carassius auratus). Em 1890, José Maria Raposo de Amaral introduziu carpas (Cyprinus carpio e Cyprinus specularis) e, em 1941, a junta geral procedeu à introdução de truta arco-íris (Salmo irideus). Actualmente, estão referenciadas duas espécies – Cyprinus sp. e Perca fluviatilis (perca do rio). Em 1873, Fouqué, na sua obra, “Voyages Géologiques aux Açores”, descreveu os terrenos circundantes da lagoa, de matas de criptomerias, pinheiros marítimos, eucaliptos e acácias, mandadas plantar por José do Canto, seu proprietário, que ajardinou também a parte sul da propriedade e construiu uma casa de campo.

Nos dias de hoje, embora ainda possam ser observadas espécies da vegetação natural dos Açores tais como Laurus azorica (louro), Juniperus brevifolia (cedro-do-mato), Lysimachia azorica, Osmunda regalis (feto real) e woodwardia radicans, predominam as espécies exóticas: criptomerias, hortênsias, azáleas, eucaliptos, incensos, conteiras, etc. É de realçar a presença de uma espécie endémica da madeira – o til (Ocotea foetens). Dado que esta zona é densamente florestada, é frequente observarem-se diversas espécies de aves, das quais se destacam: a estrelinha (Regulus regulus azoricus), o milhafre (Buteo buteo rothschildi), a alvéola ( Motacila cinérea) e o pombo torcaz (Columba palumbus azorica).
 
         

Plantação de endémicas - Parque Aberto 2012

 
A ação voluntariado ambiental de plantação de espécies endémicas, integrada na 2ª edição do programa “Parque Aberto da Terceira”, decorrerá no dia 24 de Novembro e de 26 a 30 de Novembro.
Neste âmbito, o Parque Natural da Terceira convida todos os queiram participar e a aparecer nas Furnas do Enxofre nos horários indicados.
 
 
 
Não é necessária inscrição para particulares, no entanto para permitir uma melhor organização dos trabalhos, solicita-se que contactem os serviços abaixo indicados para agendamento de grupos organizados (escolas; IPSS; agrupamentos de escuteiros, ou outros).
 
Para agendamento:
Parque Natural da Terceira-Ecoteca da Terceira
295 403 800
 

Noite de Encerramento da Festa das Vindimas 2012


Noite de encerramento da Festa das Vindimas 2012, dia 24 de Novembro a partir das 22h00 no Lajido de Santa Luzia Ilha do Pico.
Nesta noite não faltará as tradicionais Chamarritas e as castanhas assadas.







Fonte: ADELIAÇOR




O Povo no Imaginário Nemesiano


                O povo no Imaginário Nemesiano é um livro da autoria de Paulo Jorge Augusto Matos, licenciado em Línguas e Literaturas Modernas (variante de Estudos Portugueses e Franceses) pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Ao defender a dissertação do mestrado em Cultura e Literatura Portuguesas na Universidade dos Açores, em 2004, surgiu esta publicação.
                Trata-se de um livro que divulga a cultura açoriana a variados níveis. Não só possibilita ao leitor adquirir novos conhecimentos sobre Vitorino Nemésio, como também os aspectos característicos do arquipélago – história, geografia, etnografia, língua, linguagem, etc.
                O livro aborda, ainda, um estudo sobre uma perspectiva pouco aprofundada da obra nemesiana: “a relação existente entre o autor terceirense e o povo e a forma como Nemésio aproveitou literariamente essa ligação tão sentimentalmente enraizada.”
                Este livro encontra-se disponível nos Quiosques de Turismo ART da ilha Terceira – Angra do Heroísmo e Praia da Vitória. 
         
 
    
 
 

Arroz doce



Ingredientes:
2 Medidas de Arroz
2 Medidas de leite
2 Medidas de açúcar
1 Medida de água
casca ou rapa de limão
1 pau de canela
sal
8 ovos

Preparação:
Põe o arroz o leite e a água a ferver por 10 minutos, apaga o lume abafa o tacho, passado meia hora põe 2 medidas de açúcar mexe se tiver duro põe mais leite numa pitada de sal, quando estiver cozido bate-se os ovos e põe-se dentro e vai-se mexendo até os ovos ficarem todos misturados.
Bom Apetite!

Fonte da Imagem: http://receitas.pasteldenata.info/tag/arroz-doce/

Palácio dos Capitães Generais

Palácio Capitães Generais - Fachada principal

O Palácio dos Capitães Generais está localizado no centro histórico de Angra do Heroísmo.

Este edifício foi mandado construir por alvará de D. Sebastião para a Companhia de Jesus que foi fundada na ilha pelo padre Leão Henriques, em 1570.

Além dos edifícios que hoje se conhecem - o Palácio e a Igreja - havia o Colégio dos Estudos, que foi demolido em 1940, dando lugar ao Largo do Colégio.

Palácio Capitães Generais - Interior
Extinta a Companhia de Jesus, em 1759, por decisão do Marquês do Pombal, o colégio dos Jesuítas de Angra foi, também, fechado ficando os seus bens incorporados na Coroa.
Em 1766, por Carta Régia, o edifício passou a servir de residência aos Governadores e Capitães-Generais da ilha, sendo o último detentor do cargo o conde de Vila Flor, em 1829/31. Foi ainda sede da Regência do Reino de Portugal, presidida por Palmela, tornando-se Paço Real por D. Pedro IV lá ter residido. Em 1901 recebeu os reis D. Carlos e D. Amélia.

Ao longo do século XX, serviu vários fins, tornando-se residência do governador e sede do Governo-geral. O sismo de 80 danificou profundamente o edifício que depois foi totalmente reconstruído viu reconvertidos os seus espaços para alojar a Secretaria Regional da Educação e Cultura. Atualmente é sede da Direção Regional de Organização e Administração Pública.


A igreja integrada no palácio data de meados do século XVII e é o reflexo da Igreja da reforma católica influenciado pelo gosto de decorativos das Índias. Tem uma fachada monumental e sóbria, no cimo de uma ampla escadaria, e no seu interior um rico espólio em talha dourada e azulejaria.

Fontes:
CMAH